-->

Notícias

16 abril 2022

Entenda como funciona a pesca esportiva e como soltaram o pirarucu de 100 kg vivo de volta no rio em RO

Entenda como funciona a pesca esportiva e como soltaram o pirarucu de 100 kg vivo de volta no rio em RO




O pirarucu com mais 2 metros e aproximadamente 130 kg fisgado em Rondônia nesta semana foi registrado durante uma ação de pesca esportiva. Essa atividade, também conhecida como "pesque e solte" consiste em fisgar o peixe, não para consumo ou comércio, mas pelo prazer de pescar. Nesse esporte os pescadores pesam, medem e fotografam o animal antes de devolvê-lo à água.


Anderson Guedes e Wladis Kucharski que registraram o pirarucu gigante nesta semana em Jaci Paraná, distrito de Porto Velho acreditam que a pesca esportiva tem obrigação de envolver a preservação, tanto dos rios quanto dos animais.


"A gente pega os peixes, tira fotos, filma a fisgada e depois devolve. Nesse dia entrou esse 'monstro' no caminho e a gente trabalhou com muito cuidado para não machucar o peixe. Não queríamos deixar ele muito tempo fora d’água", lembrou Wladis.



O encontro da dupla com o pirarucu durou aproximadamente 40 minutos. Nesse período eles tiraram o anzol do peixe e dentro da água fizeram a estimativa do peso e comprimento.


"Com muita rapidez, tiramos o anzol para evitar ao máximo o abalo. Ele já vinha cansado, então a gente tem que ter cuidado para evitar que ele fique mais estressado. Daí colocamos o peixe novamente na água e ali dentro fizemos a estimativa do peso e tiramos a medida aproximada com uma régua", disse Wladis.



"A gente ficou muito contente de ter devolvido o peixe com saúde à natureza para que ele possa seguir reproduzindo e assim povoando a nossa região", lembrou.



Pirarucu com mais de 2 metros é fisgado em Rondônia — Foto: Redes Sociais/Reprodução



Em Rondônia a fiscalização da pesca esportiva fica sob responsabilidade da Secretaria Estadual do Desenvolvimento Ambiental (Sedam). Segundo a pasta, a atividade pode ser considerada uma alternativa sustentável se praticada corretamente.


Para isso, alguns pontos devem ser respeitados, entre eles período de defeso quando tanto a pesca de caça, a esportiva e a comercial ficam vetadas ou controladas para que os animais se reproduzam na natureza. Este ano o período de defeso do pirarucu aconteceu até 30 de abril.




Dicas para reduzir o estresse do peixe




Segundo a Sedam quem pratica a pesca esportiva deve seguir orientações de órgãos ambientais para reduzir o estresse dos animais.


Entre as principais dicas estão:



Utilizar material de pesca compatível com a espécie e o tamanho de peixe que se pretende capturar
Pescar com anzol sem farpa, para facilitar a soltura do peixe,
Retirar o anzol da boca do peixe mantendo-o na água,
Molhar as mãos quando for segurar o peixe, pois mãos secas, panos, toalhas e papel retiram o muco do animal, que é a primeira barreira contra doenças,
No caso de retirar o peixe da água, devolva-o o mais rápido possível, não passando de um minuto entre a retirada da água e seu retorno,
Não toque nas brânquias dos peixes, pois elas fazem parte do sistema respiratório,
Não jogue o peixe bruscamente de volta à água. Segure-o suavemente na posição horizontal pela nadadeira dorsal ou apoiando pelo ventre, sempre no sentido da boca voltada contra a correnteza, até que saia nadando normalmente,
Use acessórios de pesca sem o metal. A chumbada, por exemplo, é considerada tóxica e pode causar danos à vida aquática.







Preservação do Rio Madeira




Anderson e Wladis são acostumados a pescar principalmente na bacia do Madeira. Rio que abriga 40% de todas as espécies de peixes da bacia amazônica — são mais de 1,2 mil. Todos os rios de Rondônia, em algum momento, desaguam nele.


A dupla comenta que durante as pescarias já chegaram a flagrar crimes ambientais.



"Se a gente não cuidar a natureza vai acabar. Existe o pescador predador, aquele que mata os peixes a esmo que as vezes sai com armas, atira e deixa o animal morto", comenta Anderson.




Outro problema apontado é a quantidade de lixo encontrada nos rios do estado. A foto abaixo mostra Anderson durante um dia de coleta de lixo em Rondônia.

Foto tirada durante dia de coleta de lixo em rio de Rondônia. — Foto: Reprodução/Redes sociais

Responsabilidade: Imagens, artigos ou vídeos que existem na web às vezes vêm de várias fontes de outras mídias. Os direitos autorais são de propriedade total da fonte. Se houver um problema com este assunto, você pode entrar em contato