-->

Notícias

01 fevereiro 2022

OMS emite alerta para perigos de lixo hospitalar da pandemia

OMS emite alerta para perigos de lixo hospitalar da pandemia




A Organização Mundial da Saúde (OMS), publicou nesta nesta terça-feira (1), um relatório que mostra como os resíduos hospitalares gerados durante a pandemia da Covid-19 expõem a saúde da população e a integridade do meio ambiente. As informações são do portal Metrópoles, parceiro do Bahia Notícias.



O documento ainda ressalta a necessidade de criar melhores práticas de descarte do material. Estima-se que dezenas de milhares de toneladas de materiais hospitalares – incluindo máscaras descartáveis, equipamentos de proteção individual (EPI), seringas e testes de detecção do coronavírus – colocaram uma enorme pressão nos sistemas de gerenciamento de resíduos de saúde em todo o mundo.



“O problema expõe os profissionais de saúde a ferimentos com agulhas, queimaduras e micro-organismos, além de impactar as comunidades que vivem perto de aterros mal administrados e locais de descarte de resíduos por meio do ar contaminado pela queima dos produtos, má qualidade da água ou pragas transmissoras de doenças”, informou a OMS.



A OMS baseia esta estimativa nas aproximadamente 87 mil toneladas de EPIs adquiridas em uma iniciativa da Organização das Nações Unidas (ONU) entre março de 2020 e novembro de 2021 e enviadas para países que necessitavam de apoio urgente no enfrentamento da pandemia. O número é apenas um indicativo do problema real: acredita-se que a maior parte destes equipamentos tenham acabado como lixo.



Os autores do levantamento destacam que mais de 140 milhões de kits de teste (cerca de 2.600 toneladas de resíduos não infecciosos) e 731 mil litros de resíduos químicos (equivalente a um terço de uma piscina olímpica) foram produzidos durante o período.



Há ainda o lixo gerado após a aplicação de mais de 8 bilhões de doses de vacinas em todo o mundo, resultando em 144 mil toneladas de resíduos na forma de seringas, agulhas e caixas de segurança.



De acordo com a agência internacional, 30% das instalações de saúde – 60% delas localizadas nos países menos desenvolvidos – não estão preparadas para lidar com os resíduos que geram diariamente e “muito menos com a carga adicional da Covid-19”.



“É absolutamente vital fornecer aos profissionais de saúde o EPI certo. Mas também é vital garantir que ele possa ser usado com segurança e sem afetar o meio ambiente”, disse o diretor executivo do Programa de Emergências de Saúde da OMS, Michael Ryan.

Responsabilidade: Imagens, artigos ou vídeos que existem na web às vezes vêm de várias fontes de outras mídias. Os direitos autorais são de propriedade total da fonte. Se houver um problema com este assunto, você pode entrar em contato