Bolsonaro 'pula' evento e esnoba fala de príncipe Charles no final do G20




O presidente do Brasil, Jair Bolsonaro (sem partido), encerra neste domingo (31) sua participação no G20 —grupo das 19 maiores economias do mundo mais a União Europeia— sem nenhuma reunião bilateral com líderes globais em sua agenda nem integração social com eles.



Isolado durante o evento, ele preferiu usar o tempo em Roma para sair pelas portas do fundo da embaixada brasileira e caminhar pelas ruas da capital italiana, como já havia feito nos dias anteriores, seguido por cerca de duas dúzias de apoiadores que se articulam por canais de WhatsApp.


Bolsonaro deixou a representação diplomática, onde está hospedado, às 10h40, enquanto o príncipe Charles já era ouvido por primeiros-ministros e presidentes na Nuvola, centro de convenções a 15 km dali. A cadeira do Brasil era ocupada pelo ministro das Relações Exteriores, Carlos França.


Na manhã deste domingo, Bolsonaro não participou de uma visita organizada pelo premiê italiano, Mario Draghi, à Fontana di Trevi, aonde tinha ido a pé na sexta (29). Draghi reuniu na cinematográfica fonte do século 18 líderes como a primeira-ministra alemã, Angela Merkel, o presidente francês, Emmanuel Macron, e os premiês indiano, Narendra Modi, espanhol, Pedro Sánchez, e britânico, Boris Johnson.


Os líderes posaram para foto em frente ao monumento e cumpriram o rito da moedinha: segundo a lenda, para voltar a Roma deve-se jogar uma moeda de costas para a fonte e depois voltar-se rapidamente para vê-la enquanto submerge. Na sexta, quando visitou o local, Bolsonaro não fez o tradicional gesto.


Alguns líderes não resistiram à tentação de molhar a mão nas águas da fonte antes de se dirigir ao centro de convenções onde tentariam neste domingo aparar diferenças sobre como combater a crise climática.


Na noite de sábado, os carros da comitiva presidencial voltaram à embaixada brasileira por volta das 23h30, enquanto líderes ainda aproveitavam os digestivos —servidos após um creme de tangerina— e a conversa no jantar oferecido pelo presidente da Itália, Sergio Mattarella, no palácio Quirinale.


Na mesa da recepção, o presidente dos EUA, Joe Biden, sentou-se ao lado de Mattarella e aproveitou para trocar ideias com a presidente da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen, também sua vizinha.


A primeira-dama americana, Jill Biden, entreteve-se com Macron, enquanto era servido salmão marinado, risoto com abóbora e trufas brancas, linguado com alcachofra assada e purê de cenoura.


A primeira-dama brasileira, Michele, não estava presente. Bolsonaro veio a Roma com seu filho Carlos, com quem dividiu os sanduíches servidos na loja de embutidos em que entrou na sexta. No local, aliás, o fato de o presidente ter recusado um café e preferido uma Coca-Cola provocou comentários irônicos.


O apresentador do telejornal da emissora Rai disse que Bolsonaro vai "entrar para a história como o único presidente brasileiro que veio a Roma e recusou um café, produto que representa um elo entre os países".


Também no G20 Bolsonaro foi visto isolado. Chamou a atenção dos repórteres que cobriram o primeiro encontro com o premiê italiano, anfitrião do evento, que o brasileiro tenha sido o único a quem Draghi não estendeu a mão.


Quando entrou na antessala do evento, Bolsonaro não foi abordado por nenhum dos líderes que já estavam no local, como Merkel, o australiano Scott Morrison ou o canadense Justin Trudeau, ou Boris, Macron e Von der Leyen.


O brasileiro foi para a mesa de café e tentou puxar conversa com os garçons, falando de suas origens italianas. "Todo mundo italiano aí?", perguntou, de acordo com o repórter que representou os jornalistas brasileiros neste evento.


O interlocutor respondeu apenas com um aceno de cabeça, enquanto Bolsonaro tentava falar de suas origens italianas. Sem obter resposta, começou então a fazer uma piada com a final entre Brasil e Itália, na Copa de 1970, mas ninguém riu.


O presidente ficou alguns minutos sozinho olhando para os outros líderes conversando em grupos, apontando o dedo para os que sabia quem eram e falando com seus próprios seguranças, até que seus assessores lhe conseguissem um diálogo com o autocrata turco Recep Tayyip Erdogan.


Em cerca de dois minutos, Bolsonaro deu ao colega informações falsas sobre a pandemia, a economia brasileira e sua popularidade e criticou a Petrobras e a imprensa. Não fez nenhuma pergunta a Erdogan sobre a Turquia.


Depois de ignorar o ministro das Finanças da Alemanha, Olaf Scholz, provável futuro premiê alemão, ele cumprimentou Boris, trocou algumas frases com Modi e foi provocado pelo presidente argentino, Alberto Fernández, sobre futebol. Mais uma vez isolado, resignou-se a sentar ao lado do ministro da Economia brasileiro, Paulo Guedes, em um sofá distante dos outros líderes.


Quando os organizadores avisaram que a cúpula começaria, Macron entrou abraçado a políticos africanos e Merkel entrou rodeada por vários congêneres. O presidente brasileiro foi o último a deixar a antessala e se dirigiu à cúpula apenas com seus ministros.


Neste domingo (31), Bolsonaro foi recebido a gritos de "assassino" e "genocida" ao voltar de reuniões do G20, às 16h30.


O presidente chegou a descer do carro, como faz quando há apoiadores, mas, ao ouvir mais gritos contra que a favor, não se aproximou.


Ele apenas acenou de longe e entrou, de carro, na embaixada. Na saída dos fundos, dezenas de apoiadores o esperavam com balões e amarelos e bandeiras do Brasil.


Em seguida, Bolsonaro fez uma caminhada pelo centro da capital italiana, mas um tumulto levou o presidente a terminar o passeio mais cedo do que o previsto. Jornalistas foram agredidos, empurrados com brutalidade e tiveram celulares arrancados das mãos por agentes que não quiseram se identificar.


Durante sua estadia em Roma, Bolsonaro viu o Vaticano do lado de fora, em caminhada com ministros em que terminou chamado de "genocida" por manifestantes contrários. Ele foi defendido pelo pequeno grupo de apoiadores, que, segundo Sandra e Sonia, duas imigrantes brasileiras que o integram, se conhece de atividades voluntárias em igrejas evangélicas de Roma.


Nesse período, Biden e Modi foram recebidos em audiência pelo papa.


O presidente brasileiro também não será recepcionado por nenhuma das autoridades católicas em Pádua, onde pretende visitar a basílica de Santo Antônio.
Pinterest

Sobre SITE TRIBUNA

Informação: esse é o compromisso de todos os dias do Site Tribuna. Um site de credibilidade que tem o orgulho de proporcionar diariamente aos seus leitores informação com ética, qualidade e independência editorial. Atualmente, o Site Tribuna conta com uma equipe que produzem análises consolidadas, apuração com profundidade, contextualização da notícia e abordagem dos fatos como eles realmente acontecem. Essas são as qualidades que fazem do Site Tribuna um site de credibilidade!