UPB defende que dívida da previdência tira capacidade de investimento dos municípios




A União dos Municípios da Bahia (UPB) espera conseguir articular junto às bancadas nordestinas na Câmara dos Deputados e no Senado federal afim de viabilizar o parcelamento da dívida previdenciária em 240 meses e a redução da alíquota do INSS patronal das prefeituras. De acordo com a entidade esta é a pauta central de atuação no momento. O presidente da entidade e prefeito de Jequié, Zé Cocá, chamou a atenção para o assunto uma vez que se esse parcelamento não acontecer “os municípios podem quebrar”.



“Estamos trabalhando para aprovação do projeto. Entendemos que isso vai fortalecer os municípios e nós prefeitos vamos ter condições de fazer investimentos com recursos próprios. Hoje é quase impossível, principalmente quando se trata de municípios de pequeno porte. Precisamos lutar pelo parcelamento para fortalecer municípios”, alertou o presidente da UPB.



De acordo com a entidade municipalista, no último dia 22, foi aprovada, na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) da Câmara dos Deputados a Proposta de Emenda à Constituição (PEC) 15/2021. Essa é a matéria que prevê o parcelamento das dívidas previdenciárias em até 240 meses. Zé Cocá reforçou que a aprovação é um passo importante, mas é preciso adicionar uma emenda à proposta.



“Estamos articulando com os deputados uma emenda que limite a parcela da dívida a 1% da Receita Corrente Líquida (RCL) e não 2% como propõe o texto original. A medida atende aos anseios dos gestores municipais, mas será necessária a emenda para dar condições de pagamento. Estamos buscando o apoio das bancadas nordestinas na Câmara dos Deputados e no Senado”, disse.



De acordo com o presidente da entidade, há um esforço conjunto com os deputados federais para mudança na alíquota do INSS patronal dos municípios, que, segundo ele, é o principal motivo para o endividamento dos municípios com a previdência. “Historicamente sempre tivemos no início de mandato dos prefeitos um parcelamento especial. A dívida que nós temos hoje é impagável. Os municípios pagarem 22,5% de patronal é impagável, quando um time de futebol paga 5%”, reclamou.



Cocá enfatizou ainda que as prefeituras perderam a capacidade de investimento, com as obrigações criadas ao longo das últimas duas décadas sem nenhuma contrapartida financeira para o custeio. “Os municípios, principalmente do Norte e do Nordeste, vêm sofrendo mais porque têm as suas particularidades e mais dificuldades. Temos o ICMS abaixo do padrão do Sul e Sudeste, nós temos as receitas próprias muito menores. Hoje tem prefeituras da Bahia e do Brasil inteiro que se não tiver emenda parlamentar, não sobrevive. Municípios de pequeno porte não têm condições de fazer uma única obra com recursos próprios”, finalizou.
Pinterest

Sobre SITE TRIBUNA

Informação: esse é o compromisso de todos os dias do Site Tribuna. Um site de credibilidade que tem o orgulho de proporcionar diariamente aos seus leitores informação com ética, qualidade e independência editorial. Atualmente, o Site Tribuna conta com uma equipe que produzem análises consolidadas, apuração com profundidade, contextualização da notícia e abordagem dos fatos como eles realmente acontecem. Essas são as qualidades que fazem do Site Tribuna um site de credibilidade!