Centrais sindicais defendem tributação de fortunas para bancar auxílio de R$ 600




As centrais sindicais se uniram nesta quarta-feira (20) para reiterar o posicionamento em defesa de um auxílio de R$ 600, depois que o Palácio do Planalto recuou do anúncio do novo Bolsa Família de R$ 400 na terça (19).



CUT, Força Sindical, UGT, CTB (Central de Trabalhadores e Trabalhadoras do Brasil), NCST (Nova Central Sindical de Trabalhadores) e outras assinaram uma carta conjunta pedindo proteção da população e combate à fome.


"Propomos que o Congresso trate com urgência máxima a ampliação da cobertura da proteção de renda através do Bolsa Família", diz o texto.


A ideia é que a renda alcance os R$ 600, chegando a R$ 1.200 em casos de mães chefes de família. As centrais defendem que o financiamento seja feito a partir de tributação sobre fortunas, altas rendas, lucros e dividendos.


Para Ricardo Patah, presidente da UGT, a situação em que a fome chegou no Brasil justifica o aumento no valor.


"Na nossa visão, tem tanta gente passando fome, desalentada e na miséria. Independentemente dos procedimentos de teto de gastos, o auxílio emergencial de R$ 600 seria o ideal. O povo está passando fome. E os R$ 600 não só tirariam da miséria milhões de pessoas como fariam a economia rodar", afirma Patah.
Pinterest

Sobre SITE TRIBUNA

Informação: esse é o compromisso de todos os dias do Site Tribuna. Um site de credibilidade que tem o orgulho de proporcionar diariamente aos seus leitores informação com ética, qualidade e independência editorial. Atualmente, o Site Tribuna conta com uma equipe que produzem análises consolidadas, apuração com profundidade, contextualização da notícia e abordagem dos fatos como eles realmente acontecem. Essas são as qualidades que fazem do Site Tribuna um site de credibilidade!