Não vacinados são 99% dos americanos mortos, e arrependimento vem tarde




Estou recebendo pessoas jovens e saudáveis no hospital com infecções muito graves por Covid. Uma das últimas coisas que eles fazem antes de serem intubados é implorar pela vacina. Eu seguro as mãos deles e digo que sinto muito, mas é tarde demais."



O relato é de Brytney Cobia, médica no Alabama, que escreveu um post em suas redes sociais contando como tem sido seu dia a dia na "pandemia dos não vacinados" --como tem sido chamada a atual fase nos EUA, na qual há vacinas suficientes para todos, mas muita gente rejeita o imunizante.


Cobia segue contando que, após a morte do paciente, diz a seus familiares que a melhor forma de honrarem a pessoa amada é irem se vacinar e encorajarem conhecidos a fazerem o mesmo.


"Eles choram. E dizem que não sabiam. Eles achavam que era um hoax. Eles achavam que era político. Achavam que era 'apenas uma gripe'. Eles gostariam de poder voltar atrás. Mas não podem. Então me agradecem e vão se vacinar. E eu volto ao consultório, faço a notificação da morte e faço uma oração para que essa perda salve mais vidas."


No Alabama, 94% dos internados e 96% dos mortos por Covid são pacientes que não se vacinaram, segundo a associação de hospitais e da secretaria de saúde do estado.


Nos EUA como um todo, mais de 99% das mortes pelo coronavírus atualmente são de não vacinados, informou o conselheiro da Casa Branca para a crise sanitária, Anthony Fauci, em julho. Entre os hospitalizados, eles são 97%, disse também no mês passado Rochelle Walensky, diretora do CDC (Centro de Controle e Prevenção de Doenças) do governo americano.


Alguns desses pacientes se recusam até a acreditar que têm Covid-19, mesmo com os resultados dos exames e a confirmação dos médicos, contou um pneumologista intensivista ao New York Times. Mas outros se arrependem de não terem tomado a vacina e, depois que se curam, dão seu depoimento nas redes sociais, em programas de TV ou em campanhas de saúde para convencer outras pessoas céticas.


"Se eu soubesse o que sei agora, definitivamente teria me vacinado", disse o trabalhador da indústria Joshua Garza, morador do Texas, à emissora de TV ABC. Aos 43 anos, ele teve que passar por um raro transplante duplo de pulmão, após os seus pararem de funcionar depois da infecção pelo coronavírus.


Ele foi internado em fevereiro e, em abril, recebeu o transplante. Foram várias semanas de recuperação e ele ainda está se reabilitando. Garza diz esperar que sua história inspire outras pessoas. "Quando te dizem que seus pulmões estão falhando, você vai dormir sem saber se vai acordar."


Outro que foi à imprensa dar seu testemunho sobre o risco de não se vacinar é o enfermeiro Aaron Hartle, 45, de Utah. Mesmo tendo tratado pacientes graves com Covid em sua clínica --um deles morreu--, ele preferiu não se vacinar quando chegou sua vez, já em dezembro do ano passado, pois entrou no grupo dos profissionais de saúde.


Além de acreditar que havia pouca informação sobre os imunizantes, ele se achava saudável demais para sucumbir ao vírus. Em junho, porém, Hartle acabou na emergência hospitalar e foi internado por uma semana.


Mesmo após ter alta, o enfermeiro, que era triatleta antes de contrair a doença, continua em recuperação e se cansa facilmente até ao falar. "Tudo bem ter um pouco de dúvida e ficar um pouco preocupado [com a vacina]. Mesmo que você pense, como eu, que não ficará muito doente, pode acontecer.", disse a um dos jornais de Utah.


Também avesso à vacina, Russel Taylor, 42, contou, em vídeo chamado "Por que eu vou ser vacinado" em que aparece sentado em uma cadeira de hospital, o que o fez mudar de ideia. "Minha sobrinha trabalha aqui. Ela ia para casa e contava [dos pacientes]. Mas a ficha não cai de fato porque não é você. Quando é com você, é completamente diferente."


Diagnosticado com dupla pneumonia devido à Covid, Taylor para de falar em vários momentos para tomar ar em um aparelho. Diz que a experiência foi o mais perto da morte que ele já chegou e que, assim que tiver alta, quer se vacinar e que toda a sua família faça o mesmo. O vídeo é uma campanha da rede de hospitais onde ele está internado há três semanas.


Alguns pacientes, porém, não têm essa segunda chance. Em Las Vegas, um homem de 39 anos, pai de cinco filhos, enviou uma mensagem de texto à companheira enquanto estava na cama do hospital. "Ai, meu Deus. Isto é terrível. Eu deveria ter tomado a maldita vacina." Jessica du Preez mostrou a mensagem do noivo, Michael Freedy, durante uma entrevista a uma rede de TV local. Ela contou que os dois preferiram esperar cerca de um ano para acompanhar os efeitos da vacina em longo prazo.


Em uma campanha de financiamento coletivo online, na qual pedia ajuda para pagar as contas, Jessica relatou o que aconteceu com Mike.


A família viajou de férias para San Diego e, na volta, ele achou que os sintomas que tinha eram resultado de uma insolação. Quando ele começou a "ficar fora de si de tanta dor que sentia e de tão assustado que estava", eles começaram uma peregrinação por emergências de hospital, até que descobriram uma pneumonia dupla.


Durante sua internação, Mike não conseguia dormir nem comer e acabou sendo transferido para um hospital mais equipado. Sem poder visitá-lo, Jessica relata a angústia de mandar mensagens para ele e não obter resposta.


Na última vez em que se falaram, ela diz que implorou para que ele lutasse pela vida. Após alguns dias, Jessica colocou um adendo no relato: "O amor da minha vida, minha rocha, meu tudo, o pai dos meus bebês não está mais conosco. Não sei o que fazer."
Pinterest

Sobre SITE TRIBUNA

Informação: esse é o compromisso de todos os dias do Site Tribuna. Um site de credibilidade que tem o orgulho de proporcionar diariamente aos seus leitores informação com ética, qualidade e independência editorial. Atualmente, o Site Tribuna conta com uma equipe que produzem análises consolidadas, apuração com profundidade, contextualização da notícia e abordagem dos fatos como eles realmente acontecem. Essas são as qualidades que fazem do Site Tribuna um site de credibilidade!