Por que a vacina contra covid-19 não impede que você seja contaminado




O governador de São Paulo João Doria (PSDB) informou nessa 5ª feira (15.jul.2021) que, apesar de ter recebido as duas doses da CoronaVac, pegou covid-19 pela 2ª vez. Questionados, o Ministério da Saúde e o Conass (Conselho Nacional de Secretários de Saúde) não informaram quantos brasileiros também contraíram a doença depois de serem imunizados.

Médicos consultados pelo Poder360 explicam que esse tipo de ocorrência é possível, mas não diminui a importância da vacinação. Pessoas imunizadas tem um risco menor de contrair a doença e, ainda que sejam diagnosticadas, não evoluem para casos graves. Além disso, sem se infectar ou com quadros de leves a moderados de covid, contribuem para diminuir a carga viral em circulação na sociedade.



Receba a newsletter do Poder360
todos os dias no seu e-mail


Ethel Maciel, pós-doutora em epidemiologia e professora da UFES (Universidade Federal do Espírito Santo), lembra que nenhuma vacina, “para nenhuma doença”, previne 100% dos casos. “Por isso que lá no início a OMS [Organização Mundial da Saúde] já tinha definido que uma vacina que diminuísse 50% o contágio já era uma vacina boa e deveria ser utilizada. Porque você diminuir as chances de infecção pela metade, isso já é muita coisa”, explica a epidemiologista.

Uma das razões é que cada organismo reage de forma específica a medicamentos e vacinas. “Algumas pessoas tem falha vacinal primária, ou seja, se vacinam e não ficam protegidas, nunca ficam protegidas”, explica o infectologista e professor de medicina na UFRJ (Universidade Federal do Rio de Janiro) Edmilson Migowski.

Além disso, a imunidade adquirida coma vacina pode diminuir com o tempo: “Doenças que tem um período de incubação curto e que são infecção de mucosa, como é o caso da covid-19, a tendência é você ficar vulnerável depois que adoeceu ou depois que se vacinou”, explica Migowski.

“Por isso você pode adoecer mais de uma vez mesmo que não tenha uma nova cepa”, acrescenta o professor. Ele afirma ainda que a reinfecção pode, inclusive, ocorrer pela mesma variante do vírus.

“Uma coisa é você falar que a vacina foi eficaz 1 mês, 2 meses depois de concluir o esquema de vacinação. Outra coisa na vida real, depois de 4, 5, 6 meses”, lembra Migowski.

Essa eficácia da vacina “na vida real” tem outro nome: efetividade.

A eficácia avalia se um imunizante é capaz de proteger o organismo contra uma doença. Ela é medida em um ambiente controlado, comparando casos e mortes de dois grupos: um que recebeu a vacina, e outro que recebeu um placebo, ou seja, uma substância que não tem intenção de proteger o corpo contra o invasor.

Já a efetividade demonstra quantas pessoas o imunizante protegeu numa situação real, não controlada, e considera apenas pessoas que foram de fato vacinadas.





Para comparar: a eficácia da CoronaVac, considerando todos os testes em massa realizados em diferentes países, é de 50,4%. Mas um estudo de efetividade na cidade de Serrana, em São Paulo, indica que a vacina reduziu em 80% os casos sintomáticos entre as pessoas vacinadas.
SE A EFICÁCIA NÃO É DE 100%, VALE A PENA TOMAR A VACINA?

Uma proteção acima de 50% e abaixo de 100% é melhor do que proteção nenhuma. “Num cenário pandêmico você precisa se proteger porque a chance de você encontrar alguém com a doença é grande”, alerta Ethel.

As vacinas diminuem essa probabilidade de contato com pessoas infectadas –desde que um percentual grande da população esteja vacinado. “É o contrário do que temos no Brasil agora. Nós estamos com uma pandemia descontrolada e temos uma chance grande encontrar pessoas infectadas. Por isso que mesmo os vacinados precisam manter as medidas de proteção”, acrescenta a professora.

Há outro ponto positivo na vacinação: os imunizados não apenas têm menos chance de pegarem a doença, como também representam um risco menor infectar outras pessoas, caso venham a desenvolver um quadro de covid-19. “Estamos aprendendo com os estudos que a vacinação tem um impacto na carga viral, na quantidade de vírus que elas [pessoas imunizadas] têm. Então mesmo que você se infecte, a possibilidade de você transmitir pra muitas pessoas vai ser muito reduzida”, explica Ethel.

Em resumo, para o indivíduo, são duas vantagens principais: menor chance de contrair a doença e, ainda que pegue o vírus, terá um quadro de leve a moderado, sem evoluir para a morte. Do ponto de vista coletivo, isso significa uma queda progressiva do contágio e um sistema de saúde com menos sobrecarregado com pacientes de coronavírus.

A vacinação tem um efeito progressivo: as mortes diminuem, os casos ativos se tornam mais leves e a redução da carga viral diminui o surgimento de novos diagnósticos à medida que a população é imunizada.

No Brasil, a proporção de pessoas completamente vacinadas (duas doses ou com vacina de dose única) é de 15,4%. Os que receberam a 1ª dose são 41%.


O percentual de imunizados está longe do que os especialistas consideram necessário para refrear o contágio. Ethel estima que o Brasil precisa “muito provavelmente, [de] mais de 80% da população com as duas doses”.

Mas Migowski alerta que a vacinação não pode ser o único pilar de controle da pandemia. De acordo com o infectologista, o “ponto 0” é manter um estilo de vida saudável –o que já fortalece o sistema imunológico e a capacidade do próprio organismo de combater doenças. Ele também afirma ser necessário reforçar o uso da máscara, o distanciamento social, higiene das mãos, usar álcool a 70% com frequência e evitar aglomerações.

O posicionamento é respaldado pela Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária). A agência regulatória é responsável por atestar a qualidade e segurança das vacinas antes de permitir seu uso no país. Ao Poder360, a Anvisa afirmou que a vacinação “não dispensa as medidas não farmacológicas, como uso de máscara, álcool gel e distanciamento”.
Pinterest

Sobre SITE TRIBUNA

Informação: esse é o compromisso de todos os dias do Site Tribuna. Um site de credibilidade que tem o orgulho de proporcionar diariamente aos seus leitores informação com ética, qualidade e independência editorial. Atualmente, o Site Tribuna conta com uma equipe que produzem análises consolidadas, apuração com profundidade, contextualização da notícia e abordagem dos fatos como eles realmente acontecem. Essas são as qualidades que fazem do Site Tribuna um site de credibilidade!