CPI da Covid: Saúde quis convencer médicos a usarem remédios sem eficácia




A CPI da Covid teve acesso a documentos que dizem que o Ministério da Saúde orientou Manaus a criar tendas para indicação de remédios sem eficácia comprovada contra a covid-19. Com a resistência dos médicos em receitar o chamado tratamento precoce, chegou a ser sugerido que enfermeiros pudessem fazê-lo.


Segundo informações divulgadas pelo Jornal Nacional na 4ª feira (21.jul.2021), em janeiro deste ano, quando Manaus registrava alta de casos da doença e falta de oxigênio hospitalar, o Ministério da Saúde, representado pela secretária de Gestão do Trabalho da pasta, Mayra Pinheiro, pagou a viagem de 11 médicos à capital do Amazonas para orientar profissionais de saúde a prescreverem remédios sem eficácia comprovada contra a covid-19.

Com a quebra de sigilo de Mayra, a CPI teve acesso a um relatório enviado por e-mail a ela e ao secretário de Ciência, Tecnologia, Inovação e Insumos Estratégicos em Saúde, Hélio Angotti, em 20 de janeiro. A mensagem trazia um resumo do que os médicos encontraram nas UBS (Unidade Básica de Saúde) de Manaus, “se adota ou não o tratamento precoce”.



Receba a newsletter do Poder360
todos os dias no seu e-mail


O relatório afirma que 13 UBSs da cidade realizavam o tratamento precoce, outras 7, não.

O médico Gustavo Vinícius Pasquarelli Queiroz relatou por e-mail que alguns colegas apresentaram resistência para prescrever os medicamentos e sugeriu a “criação de ‘tendas de tratamento precoce’, onde atuariam profissionais que aderem esta modalidade terapêutica. Para não haver discordâncias entre as prescrições, sugiro a criação de um ‘Kit’”.

De acordo com o médico, as tendas seriam uma forma “dos doentes escolherem e não dos profissionais”, pois só se dirigiria ás tendas quem concordasse com os métodos utilizados. “Atualmente os doentes têm que ter a ‘sorte’ de ser atendidos por um médico prescritor do tratamento precoce”, explicou. “Mesmo que os colegas locais aceitem o tratamento precoce, as UBS não disponibilizam as medicações. Algumas unidades não têm nem Dipirona”, concluiu Pasquarelli.

No dia 15 de janeiro, outro médico do grupo, Luciano Dias Azevedo, recomendou uma possível solução contra a resistência de médicos ao uso dos medicamentos sem comprovação científica.

“Problema: Poucos médicos que prescrevem o tratamento precoce. Solução: Aumentar o número de profissionais médicos que prescrevem tratamento precoce nas unidades básicas e/ou dar autonomia de prescrição para os enfermeiros treinados no escore clínico associado a treinamento na identificação das fases da doença para prescreverem os pacientes e moradores do mesmo lar”, escreveu.

A CPI investiga Azevedo por fazer parte do chamado “gabinete paralelo”, que aconselhava o presidente Jair Bolsonaro a adotar medidas sem eficácia comprovada contra a covid-19, como o tratamento precoce.

O médico ainda é apontado como o responsável por sugerir a alteração da bula da cloroquina, inserindo uma recomendação para uso contra a covid-19. A proposta foi recusada pelo diretor-presidente da Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária), Antonio Barra Torres.

Em depoimento à CPI, em maio, Mayra negou que o Ministério da Saúde tivesse recomendou o uso de medicamentos sem eficácia comprovada.

“Vossa senhoria visitou as unidades básicas de saúde para recomendar aos médicos do SUS o uso do tratamento precoce?”, perguntou o senador Renan Calheiros (MDB-AL), relator do caso.





“Não, senhor”, respondeu Mayra.

“Não visitou a unidade, mas recomendou o uso do tratamento precoce?”, insistiu Calheiros.

“Não. O Ministério da Saúde não recomenda. O Ministério da Saúde orienta”, respondeu ela.

Já o senador Marcos do Val (Podemos-ES) defendeu a ação da pasta. Ele afirmou que o objetivo era criar uma alternativa para os médicos escolherem qual tratamento receitariam aos seus pacientes.

“Era uma indicação: ‘Olha, quem quer fazer o uso, faça dentro da sua liberdade de, como médico, receitar e se responsabilizar pelo seu paciente’. Cada médico se responsabilizaria pelo seu paciente. Não era algo impositivo, ‘tem que’. Era: ‘Se quiser, pode fazer a solicitação que o estado solicita ao governo e o governo envia’. […]. Garanto a você que não era imposto, era sugerido”, disse do Val.

Segundo o presidente da CPI, o senador Omar Aziz (PSD-AM), o estado do Amazonas foi usado como “cobaia” pelo Ministério da Saúde.

Pelo Twitter, Aziz acusou os médicos de usarem Manaus “como cobaia para experimentos com medicamentos sem qualquer eficácia comprovada cientificamente”. “A CPI vai aprofundar nessa investigação e os culpados serão responsabilizados. Temos um compromisso com todos que perderam um ente querido nesta pandemia”, completou.

TREINAMENTO

Antes de Mayra Pinheiro depor à CPI, ela conversou com Regis Andriolo, biólogo defensor da cloroquina, que a orientou nas respostas. Em vídeo ao qual a comissão teve acesso, a secretária conta que combinou com senadores governistas perguntas que seriam feitas.

“A gente tem um grupo que nos apoia, que reconhece o nosso trabalho, e esse grupo precisa fazer perguntas, no direito que eles têm de interrogarem o depoente, que nos ajudem no nosso discurso. Então, que perguntas eu posso dar para esses senadores fazerem a mim, entendeu?”, perguntou Mayra a Regis. “Eles chutam pra eu fazer o gol”, explicou a secretária.

“Capricha e já me dá a resposta, porque os senadores têm que ter essa respostinha, entendeu?”, completou a secretária. “São 5 senadores que vão jogar com a gente. Então, eu preciso dar perguntas a eles para eles me interrogarem, cuja resposta seja a oportunidade de eu falar”, concluiu.
RESPOSTAS

Consultados pelo jornal, o Ministério da Saúde não informou se as sugestão dos médicos que viajaram para Manaus foram ou não acatadas. Sobre o treinamento de Mayra, a pasta disse que o assunto está sob sigilo.

O médico Gustavo Vinícius Pasquarelli Queiroz confirmou ter sugerido a criação das tendas para tratamento contra covid-19 com remédios sem eficácia comprovada. Já Regis Andriolo não se pronunciou. Luciano Azevedo não foi encontrado pela reportagem.
Pinterest

Sobre SITE TRIBUNA

Informação: esse é o compromisso de todos os dias do Site Tribuna. Um site de credibilidade que tem o orgulho de proporcionar diariamente aos seus leitores informação com ética, qualidade e independência editorial. Atualmente, o Site Tribuna conta com uma equipe que produzem análises consolidadas, apuração com profundidade, contextualização da notícia e abordagem dos fatos como eles realmente acontecem. Essas são as qualidades que fazem do Site Tribuna um site de credibilidade!