Sinjorba convoca apagão presencial da imprensa, quarta (02)




O Sinjorba, juntamente com o Sinterp-BA e o ABI-Bahia, estão convocando os jornalistas e radialistas da Bahia para promoverem um apagão presencial da imprensa nesta quarta (02). O movimento consiste em suspender a cobertura externa durante todo o dia, concentrando o trabalho em home office, não realizar entrevistas em estúdios e/ou por telefone e vídeo, além de não divulgar releases e atos do poder público (executivo, legislativo, judiciário e ministério público), exceto notícias de utilidade pública.

“O protesto da categoria pretende mostrar às autoridades que resistem à vacinação dos jornalistas e radialistas o que significa a ‘essencialidade’ da imprensa e as consequências práticas de quando este trabalho presencial não é feito”, diz Moacy Neves, presidente do Sinjorba. O sindicalista diz que o adoecimento e morte de colegas tomou ares de uma tragédia dentro da tragédia.

No dia 18 de maio, compreendendo o grave quadro epidemiológico observado na categoria, a CIB (Comissão Intergestores Bipartite), comitê formado pelo secretário Estadual de Saúde e secretários municipais, aprovou a inclusão dos profissionais de imprensa – com mais de 40 anos e que estejam na linha de frente – nas prioridades de vacinação contra a Covid-19 na Bahia. Porém, muitas prefeituras ainda não iniciaram a imunização deste grupo por conta de uma “recomendação” do MPF (Ministério Público Federal), do dia 19 de maio, para que estas não cumprissem a definição do comitê de gestores.

Segundo Neves, 221 jornalistas morreram de covid-19 no Brasil, 142 apenas em cinco meses de 2021. Na Bahia, 26 jornalistas e radialistas perderam a vida e mais de 400 adoeceram. O setor de comunicação é o terceiro com mais desligamentos por morte desde o início da pandemia. “Desde que a CIB aprovou a imunização e o MPF recomendou o não cumprimento da decisão, cinco profissionais de imprensa vieram a óbito na Bahia, nas cidades de Feira de Santana, Juazeiro, Xique-Xique, Itamaraju e Santo Antonio de Jesus”, informa o presidente do Sinjorba.

Recomendação equivocada

O presidente do Sinjorba, Moacy Neves, questiona a “recomendação” do MPF. “É incompreensível a postura do Ministério Público, pois apesar de alegar o respeito ao plano nacional de imunização, o órgão vai de encontro ao que preconiza o documento e o decreto federal 10.288, que tornou a imprensa serviço essencial durante a pandemia”, reclama ele.

Moacy se refere ao Plano Nacional de Operacionalização da Vacinação, que em sua página 27 diz que dentre os objetivos da imunização, em um momento inicial, está a proteção da força de trabalho dos serviços essenciais. “Ora, se esse é um objetivo prioritário e a imprensa é serviço essencial, evidente que a recomendação do Ministério Público Federal está equivocada”, afirma ele.


Pinterest

Sobre SITE TRIBUNA

Informação: esse é o compromisso de todos os dias do Site Tribuna. Um site de credibilidade que tem o orgulho de proporcionar diariamente aos seus leitores informação com ética, qualidade e independência editorial. Atualmente, o Site Tribuna conta com uma equipe que produzem análises consolidadas, apuração com profundidade, contextualização da notícia e abordagem dos fatos como eles realmente acontecem. Essas são as qualidades que fazem do Site Tribuna um site de credibilidade!