'Vai demorar para recuperar o Brasil depois de Bolsonaro', diz Doria






O governador de São Paulo, João Doria (PSDB), voltou a dizer que se arrepende de ter votado no presidente Jair Bolsonaro (sem partido) e que o país vai demorar para se recuperar após a atual gestão federal. O tucano ainda repetiu que o Brasil "não tem um líder", mas um "psicopata" no poder.



"O Brasil é um oceano de fracassos: na saúde, na ciência, no meio ambiente, na educação, na proteção aos mais pobres. Vai demorar para recuperar o Brasil depois de Bolsonaro", disse ao jornal O Globo.
Doria afirmou que não há coordenação do governo federal para ajudar as empresas em meio à pandemia de Covid-19 e classificou como "desastre" o valor pago pelo auxílio emergencial.


"Mesmo para a aprovação de um auxílio emergencial houve uma dificuldade enorme e acabamos com um auxílio que dá para comprar um botijão de gás, dois quilos de arroz, dois quilos de feijão, dois sacos de farinha e mais nada. Que ajuda é essa? É um desastre."


Ao ser questionado sobre o aumento dos impostos adotada após a reforma administrativa em São Paulo, Doria alegou que o estado poderia ir à falência.


"Se não fizéssemos isso, teríamos colocado São Paulo em falência. Seria um estado dependente do governo federal, como há vários, inclusive o Rio. Por força dessa reforma administrativa -São Paulo foi o único estado que aprovou uma reforma administrativa- hoje temos R$ 21 bilhões em caixa."


O governador disse acreditar que é necessário chegar a um nome de centro até novembro deste ano para disputar a eleição presidencial de 2022. Doria ponderou que a discussão abrange um grupo heterogêneo, mas que, apesar das dificuldades, acredita em uma solução.


"Todo início exige amplitude para que você possa depois chegar ao resultado. Por isso, são sete nomes que compõem esse polo democrático. Os pensamentos não são iguais. Mas nós convergimos em um ponto: a defesa do Brasil. Neste momento, isso basta. É um fator importante de coesão", disse Doria ao O Globo.


Segundo ele, nome do centro será a tentativa de enfrentar Bolsonaro e o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT), que voltou a ser elegível após as condenações contra ele serem suspendidas pelo STF (Supremo Tribunal Federal).


"Neste momento, é a hora de manter esse campo do polo democrático mais expandido. Ao final do ano, provavelmente em novembro, ele deverá estar ampliado no seu âmbito de referências, mas com a definição de um nome que possa representar o centro no embate eleitoral."


O nome do ex-ministro Ciro Gomes não foi descartado entre as alianças possíveis para montar a candidatura do centro. Segundo Doria, neste momento nenhuma possibilidade está sendo descartada.
"Temos que ter uma visão um pouco mais sublimada das questões partidárias, eleitorais e até ideológicas. Colocar o Brasil em primeiro lugar e manter esse pensamento até o limite do possível. Qual é esse limite? A meu ver, será novembro, um ano antes do pleito eleitoral. Até lá, temos que dialogar e evoluir até chegarmos a um nome que permita uma conclusão", afirmou.
Pinterest

Sobre SITE TRIBUNA

Informação: esse é o compromisso de todos os dias do Site Tribuna. Um site de credibilidade que tem o orgulho de proporcionar diariamente aos seus leitores informação com ética, qualidade e independência editorial. Atualmente, o Site Tribuna conta com uma equipe que produzem análises consolidadas, apuração com profundidade, contextualização da notícia e abordagem dos fatos como eles realmente acontecem. Essas são as qualidades que fazem do Site Tribuna um site de credibilidade!