China não entrega doses prometidas e dificulta vacinação em países aliados




As vacinas da China permitiram que a Turquia montasse uma das campanhas de vacinação contra o coronavírus mais rápidas do mundo. O processo aplicaria pelo menos uma dose a quase 18 milhões de pessoas, mais de um quinto de sua população, segundo o Ministério da Saúde. Mas a campanha de vacinação tem sofrido algumas dificuldades por conta de atrasos nos carregamentos da empresa farmacêutica chinesa Sinovac.



De acordo com a Revista Época, na semana passada, partes da robusta rede de vacinação da Turquia praticamente pararam quando hospitais e clínicas foram forçados a recusar pacientes. Segundo Sebnem Korur Fincanci, presidente da Associação Médica turca, não foi a primeira vez que pacientes foram recusados por falta de doses.



A batalha da Turquia para obter doses de vacina é a mais recente ilustração da influência descomunal da China sobre o destino das nações que lutam contra a pandemia.A exportação de milhões de doses de vacina da China forneceu uma tábua de salvação para dezenas de países em desenvolvimento que têm dificuldade em obter vacinas ocidentais e ajudou a projetar o domínio de Pequim através da "diplomacia da vacina".



Mas a generosidade da China veio em meio a preocupações de autoridades de saúde em alguns dos países sobre a eficácia de suas vacinas e perguntas de analistas da indústria sobre a capacidade de produção do país seria capaz de acompanhar uma lista cada vez maior de clientes no exterior - e a campanha em massa de vacinação dentro do país que está apenas começando a crescer em casa.


O Egito recebeu apenas uma pequena porcentagem de sua encomenda de vacinas da China, de acordo com declarações de funcionários do governo egípcio. O Chile, por outro lado, recebeu milhões de doses chinesas, o que o tornou um líder mundial em vacinação. E a Turquia diz que só quer o que foi prometido.



O governo do presidente turco Recep Tayyip Erdogan encomendou 20 milhões de doses da vacina chinesa Sinovac no fim do ano passado, apostando alto no que era então uma droga experimental antes de aumentar o pedido para 100 milhões de doses. Mas os atrasos nos embarques forçaram o governo a revisar repetidamente seu cronograma de vacinação em um momento em que as infecções atingiram níveis recordes.



Durante uma visita à Turquia no mês passado pelo ministro das Relações Exteriores da China, Erdogan deu o passo incomum de ir a público com as frustrações de seu governo. Ele repreendeu Pequim, um parceiro comercial importante, por não entregar nem mesmo a primeira parcela prometida do pedido de vacina, 50 milhões de doses, que "deveriam ter chegado até o final de fevereiro", disse ele."Isso não é suficiente", disse Erdogan aos repórteres, relembrando sua conversa com Wang Yi, o ministro das Relações Exteriores. "Temos um acordo de 100 milhões de doses entre nós." Um porta-voz da Sinovac não respondeu a um pedido de comentários sobre o atraso dos embarques para a Turquia.



A Turquia manteve um equilíbrio delicado com a China nos últimos anos, diminuindo suas críticas à repressão de Pequim aos uigures muçulmanos, enquanto Ancara busca investimentos chineses para sua economia prejudicada - e, mais recentemente, vacinas. Uma autoridade turca disse que a escassez ainda não afetou as relações entre os dois países. Mas "se a China fizer promessas exageradas, no futuro eles podem ser mais cautelosos", acrescentou o funcionário, que falou sob condição de anonimato para discutir relações diplomáticas delicadas.



Na distribuição de vacinas no exterior, a China está apenas ligeiramente atrás da Índia, que no mês passado anunciou que estava proibindo temporariamente as exportações em meio a críticas políticas às dificuldades de vacinação em casa. Embora não haja uma lista definitiva, o Atlantic Council, citando relatórios do governo, disse no final do mês passado que a China havia enviado 60% de sua produção de vacinas Sinovac e Sinopharm como ajuda para 53 países e pagou exportações para 27.



O Chile, por exemplo, conseguiu realizar sua campanha de vacinação bem-sucedida em parte como resultado da aquisição antecipada da vacina Sinopharm da China. Nas últimas semanas, a China também forneceu centenas de milhares de doses de vacinas ao Irã e à Autoridade Palestina.



A abordagem da China contrasta com a dos Estados Unidos, onde o governo Biden disse que a primeira prioridade é vacinar os americanos. Sua única exportação foi um "empréstimo" prometido da vacina da AstraZeneca armazenada - 2,5 milhões de doses para o México e 1,5 milhão para o Canadá - que a Food and Drug Administration ainda não aprovou para uso nos EUA.



Em alguns países, a valorização dos embarques chineses veio com suspeita. Na Turquia, a escassez alimentou rumores de que a China estava atrasando os embarques de vacinas para pressionar Ancara a extraditar os uigures que vivem na Turquia para a China, embora as autoridades turcas e chinesas neguem tal pressão.



Os esforços da China também foram prejudicados pela recusa de suas empresas farmacêuticas em divulgar dados sobre a eficácia de suas vacinas. Médicos na Turquia disseram que a vacina de Sinovac foi eficaz na redução de hospitalizações e que eles encontraram pouco ceticismo público sobre a segurança das vacinas.



Tem havido muito mais consternação com a escassez de vacinas do que com o agravamento da pandemia. Os médicos temem que um sistema de saúde turco bem preparado para vacinações em massa permaneça mal utilizado. Autoridades de saúde mantiveram controles rígidos sobre os estoques, armazenamento e transporte de vacinas usando um sistema de computador centralizado e distribuíram as doses por meio de uma vasta rede de clínicas familiares locais, hospitais e equipes móveis de vacinação, de acordo com Nurettin Yiyit, médico-chefe do Hospital Sancaktepe de Istambul.



Uma nova ala de vacinação contra o coronavírus no hospital pode acomodar mais de 800 pessoas por dia e o dobro quando combinada com quartos em prédios adjacentes, disse ele em uma entrevista no hospital no mês passado.



Mas no dia em que ele falou, apenas 40 pessoas estavam programadas para serem vacinadas, incluindo profissionais de saúde e pessoas com mais de 65 anos.Como as pessoas precisam receber uma segunda dose, a vacina está sendo racionada, impedindo que a campanha de vacinação se mova para outros grupos vulneráveis, disse Yiyit. O país ficou "um pouco atrasado" no plano de vacinação, que a certa altura tinha como objetivo administrar 105 milhões de doses de vacina até o final de abril, acrescentou.
Compartilhe no Google Plus

Sobre SITE TRIBUNA

Informação: esse é o compromisso de todos os dias do Site Tribuna. Um site de credibilidade que tem o orgulho de proporcionar diariamente aos seus leitores informação com ética, qualidade e independência editorial. Atualmente, o Tribuna de Ibicaraí conta com uma equipe que produzem análises consolidadas, apuração com profundidade, contextualização da notícia e abordagem dos fatos como eles realmente acontecem. Essas são as qualidades que fazem do Tribuna de Ibicaraí um site de credibilidade!