Infecção por Covid-19 aumenta em todas as faixas etárias na Inglaterra





BRUXELAS, BÉGLICA (FOLHAPRESS) - O contágio por Sars-Cov-2 aumentou na Inglaterra, apesar do avanço na vacinação e do novo confinamento, de acordo com resultado do maior estudo de vigilância de coronavírus do país, o React, divulgado nesta quinta (21). 






Feito em conjunto pelo Imperial College e pelo instituto Ipsos Mori, com testes em 142.900 voluntários, o React indicou uma infecção a cada 63 pessoas entre 6 e 15 de janeiro, um aumento de 50% em comparação com a pesquisa anterior, realizada entre 25 de novembro e 3 de dezembro.






Em Londres, o contágio foi ainda maior: 1 em cada 36 testes deu positivo, mais que o dobro da taxa de um mês antes. "Os dados dão uma sugestão preocupante de um recente aumento nas infecções, que continuaremos monitorando de perto", afirmou o diretor do programa no Imperial College, Paul Elliott.


Segundo o epidemiologista, a diferença de metodologia explica por que há diferentes tendências no estudo e nas estatísticas oficiais, em que o número de novos casos vinha caindo. No levantamento do governo, são testadas pessoas que já apresentaram sintomas, enquanto o React testa ativamente os voluntários, antes mesmo de sinais da doença. A pesquisa, portanto, deve ter números mais reais.


Em pessoas de 18 a 24 anos, o vírus foi encontrado com maior frequência (2,51%) do que nas que têm 65 ou mais (0,94%). Apesar disso, a taxa de contaminação entre os mais idosos, que correm mais risco, dobrou no período. "Diferentes grupos de idade se misturam. Por isso, quando observamos um aumento muito grande em um grupo de idade, esperaremos aumentos nos outros, já que há mais vírus circulando", disse à Folha a epidemiologista Caroline Walters, que participa da pesquisa React.






Profissionais que atendem doentes de Covid-19 também foram mais infectados, comparativamente, o que mostra um risco duplo -mais pacientes e menos funcionários- para o sistema de saúde britânico, que já está sobrecarregado. De acordo com Elliott, se o contágio não for reduzido, "veremos a mesma pressão de alta nas internações hospitalares, nas UTIs e, infelizmente, nas mortes". O país atingiu na quarta um novo recorde diário de mortos por Covid-19: 1.820.




Walters afirma que, com base no React, não é possível determinar com certeza por que a transmissão está em alta apesar do confinamento. Uma nova variante do coronavírus, mais contagiosa, pode ser uma das responsáveis. O primeiro-ministro britânico, Boris Johnson, expressou preocupação com o fato de que a variante -descoberta no país no ano passado e batizada de B117- está agora em todo o Reino Unido.


Outra hipótese aventada pela epidemiologista foi o aumento na circulação das pessoas, registrado por dados de mobilidade a partir dos telefones celulares. Após cair no fim de dezembro, o movimento de pessoas aumentou no início do ano. Independentemente do motivo, "o mais importante é que todos limitem ao máximo suas interações físicas", disse Walters.


​Enquanto vê os novos casos e mortes subirem, o Reino Unido tem acelerado seu programa de vacinação para tentar reduzir a pressão sobre o sistema de saúde, que recebeu 15 mil pacientes desde a véspera do Natal (o equivalente a 20 hospitais lotados, segundo o governo).


No longo prazo, o objetivo é tentar também sufocar a disseminação do coronavírus, mas essa é uma meta longínqua. Embora esteja bem à frente dos vizinhos europeus, até terça (19) o Reino Unido havia administrado a primeira dose a 4.609.740 pessoas (cerca de 7% da população), e 460.625 haviam recebido a segunda (0,7% da população).


Os britânicos estão aplicando cerca de 300 mil vacinas por dia, mas a taxa ainda é insuficiente para imunizar as 15 milhões de pessoas mais vulneráveis até meados do próximo mês, como prometido.


Segundo Steven Riley, que também participou do estudo, deve levar "um grande número de semanas, possivelmente meses", para que a vacina tenha impacto na disseminação do vírus, já que os que estão sendo imunizados nas primeiras fases não são os principais responsáveis pelo contágio.


A própria vacinação pode elevar o número de novos casos, mas por outro caminho, segundo o principal conselheiro do governo britânico em ciência comportamental, David Halpern. Ao serem vacinadas, as pessoas passam a circular mais e reduzem os cuidados, elevando a transmissão.


De acordo com Halpern, que dirige o Behavioral Insights Team, pesquisas mostram que os que receberam o imunizante estavam se preparando para encontrar família e amigos. Segundo levantamento do YouGov feito em dezembro, 29% dos adultos afirmaram que relaxariam os cuidados depois de serem imunizados, e 11%, que "provavelmente não seguiriam mais as regras".


Enquanto cientistas de comportamento pedem que o governo lance uma campanha mostrando que a vacina não libera a prevenção, epidemiologistas pressionam para que o confinamento seja mantido.


"Vale a pena lembrar a definição de Albert Einstein: 'Insanidade é fazer a mesma coisa repetidamente e esperar um resultado diferente'. A lição é que toda vez que você libera muito rápido o confinamento, o contágio aumenta", disse na quarta o principal conselheiro científico do governo, Patrick Vallance.


A preocupação com as variantes mais contagiosas também levou a medidas mais restritivas na União Europeia, que nesta quinta (21) decidiu criar zonas vermelho-escuro (onde a prevalência das mutações é alta). Viajantes dessas zonas precisarão fazer testes e quarentena. Viagens não essenciais serão "fortemente desaconselhadas".
Pinterest

Sobre SITE TRIBUNA

Informação: esse é o compromisso de todos os dias do Site Tribuna. Um site de credibilidade que tem o orgulho de proporcionar diariamente aos seus leitores informação com ética, qualidade e independência editorial. Atualmente, o Site Tribuna conta com uma equipe que produzem análises consolidadas, apuração com profundidade, contextualização da notícia e abordagem dos fatos como eles realmente acontecem. Essas são as qualidades que fazem do Site Tribuna um site de credibilidade!