Candida auris põe Bahia e Brasil em alerta: 1º caso de fungo letal e super-resistente




Em meio ao aumento nos casos de Covid-19 no país – e a corrida pela vacina –, uma nova preocupação atinge a comunidade científica. A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) emitiu um alerta oficial nesta terça-feira (8) sobre um possível primeiro caso de Candida auris no Brasil. O “superfungo” seria resistente aos principais medicamentos antifúngicos, não é identificável através de métodos tradicionais e pode causar infecções fatais.


Segundo o comunicado da Anvisa, variações do C. auris são “resistentes a todas as três principais classes de fármacos antifúngicos”, apresentam resistência a diversos desinfetantes e têm alta probabilidade de “causar surtos em decorrência da dificuldade de identificação oportuna pelos métodos laboratoriais rotineiros e de sua eliminação do ambiente contaminado.”



A descoberta foi informada à agência na segunda (7), após a suspeita ser confirmada por meio de uma amostra coletada de um paciente internado por complicações da Covid-19, na Bahia, no dia 4.


A amostra foi analisada pelo Laboratório Central de Saúde Pública Profº Gonçalo Moniz (Lacen-BA), em Salvador. Após confirmação da suspeita, o material foi enviado para o Laboratório da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (HCFMUSP), que, desde 2017, estuda possíveis casos de C. auris no Brasil.

Uma ação de prevenção de contágio está sendo realizada no hospital onde o fungo foi encontrado e uma investigação epidemiológica foi encomendada pelo Estado e o município de Salvador para “verificar se existe a contaminação de outras pessoas do serviço de saúde.”

Resistência acima da média

De acordo com a Anvisa, a maior preocupação com o C. auris seria a sua alta resistência. Desinfetantes e detergentes comuns não são suficientes para eliminá-lo, e apenas produtos de limpeza hospitalar se mostraram competentes na missão. O fungo sobrevive em superfícies durante um longo período e pode também ser transmitido de pessoa para pessoa.

Em uma pesquisa de 2017 o pesquisador e infectologista Alessandro Pasqualotto, da Santa Casa de Misericórdia de Porto Alegre, constatou que apenas 10% dos laboratórios dos principais centros médicos da América Latina têm capacidade de detectar doenças invasivas originárias de fungos, como o C. auris. A pesquisa foi feita após uma análise de 130 laboratórios.

As análises prévias de DNA desse fungo indicam, ainda, que os genes que promovem a resistência ao C. auris têm passado para outras espécies. O principal exemplo é a variação Candida albicans (C. albicans), um dos principais causadores da candidíase.

O aumento de fungos, vírus e outro microrganismos que se mostram resistentes aos principais recursos da medicina atual preocupa a comunidade científica.

De acordo com os números do Centros para Controle e Prevenção de Doenças (CDC), as infecções resistentes a medicamentos são responsáveis por cerca de 2 milhões de casos e levam a 23.000 mortes nos Estados Unidos por ano.

(Guia do Estudante/ Abril)
Compartilhe no Google Plus

Sobre SITE TRIBUNA

Informação: esse é o compromisso de todos os dias do Site Tribuna. Um site de credibilidade que tem o orgulho de proporcionar diariamente aos seus leitores informação com ética, qualidade e independência editorial. Atualmente, o Tribuna de Ibicaraí conta com uma equipe que produzem análises consolidadas, apuração com profundidade, contextualização da notícia e abordagem dos fatos como eles realmente acontecem. Essas são as qualidades que fazem do Tribuna de Ibicaraí um site de credibilidade!